quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Renovação


A natureza nos fornece, de forma constante, excelentes lições.  As estações que se sucedem nos falam da obediência a leis previamente estabelecidas pela Divindade.

A fauna e a flora que se submetem ao rigor do inverno, que hibernam, parecendo morrer e ressurgem aos toques da primavera, nos lecionam a perseverança na luta pela vida.

Entre as aves, a águia nos traz especial lição. Ela é a ave que possui maior longevidade da espécie. Chega a viver setenta anos. Mas, para chegar a essa idade, aos quarenta anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.

Aos quarenta anos ela está com as unhas compridas e flexíveis e não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta.

O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas. Voar é, então, muito difícil.

A águia, nessas circunstâncias, só tem duas alternativas: morrer, ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar cento e cinquenta dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão, onde ela não necessite voar. Após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.

Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.

E só depois de cinco meses sai para o famoso voo de renovação e para viver mais trinta anos.

*   *   *

Em nossa vida, também necessitamos de processos de renovação que, de um modo geral, são dolorosos.

Para se conseguiu alçar o voo da vitória, devemos nos desprender de costumes, crenças, tradições, vícios que nos mantêm presos ao chão da ignorância.

É, sim, um processo doloroso, porque demanda esforço e vontade. Também um processos de incubação.

É preciso se sentir insatisfeito consigo mesmo e desejar crescer um pouco mais. Sentir-se incompleto com um livro só, com um pensamento apenas ou com uma visão somente.

É necessário pensar além das ideias comuns e acreditar que se pode mudar, não importando se nos encontramos nos áureos dias da juventude, nos vibrantes dias da madureza ou na esteira da velhice.

Sempre é tempo de atender aos apelos do progresso, aprender e melhorar-se.

É necessário refletir, trabalhar, estar sempre pronto para aprender e reaprender, não se permitindo jamais o comodismo.

*   *   *

Enquanto você dispõe do corpo físico e das horas terrenas, não se acomode. Não negligencie a si mesmo.

Cultive a sua inteligência, não perdendo de vista jamais a boa leitura.

Não se sinta sábio porque sabe mais do que os que o rodeiam. Busque a sabedoria.

Não se permita sentir bem, sem esforçar-se por se desenvolver nas áreas do bem e do serviço ao próximo.

Não se permita ser surpreendido a dormir, enquanto é tempo de crescer, progredir e desejar alcançar os astros brilhantes que nos extasiam nas noites claras.



Redação do Momento Espírita, com base no cap. 38
do livro Nossas riquezas maiores, por Espíritos diversos, psicografia
de José Raul Teixeira e texto Renovação, de autoria ignorada.
Em 26.11.2012.