quarta-feira, 10 de setembro de 2014

OS MALES DA ANSIEDADE

OS MALES DA ANSIEDADE

A ansiedade vem se transformando em um dos maiores inimigos do homem contemporâneo.
Como se a vida não lhe favorecesse com a bênção do tempo, e ignorado a lição de que tudo acontece no momento certo, invigilante, o homem tenta viver hoje o que só pode ser vivido amanhã. Nessa inquietação angustiosa ele não vive o hoje nem o amanhã.
                Jesus, psicólogo inigualável, conhecedor dos efeitos nocivos da ansiedade, advertia: “não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal”.
                Não quis Jesus ensinar que devêssemos ser negligentes com relação ao futuro; no entanto, convidou-nos a vencer a inquietação, a preocupação exagerada, ou seja, a ansiedade.
                Não esqueçamos que os momentos de cada dia são valiosos; a natureza nos ensina a não pular etapas, sem que soframos a penalidade através de resultados indesejáveis.
                O homem ansioso no desejo de antecipar o que imagina ser importante, embora na maioria das vezes seja apenas ingênuo capricho, atrai também dores e contrariedades sobre si.
                Todo fruto colhido antes do tempo apresenta sabor desagradável. O lavrador ao lançar a semente ao solo tem que se submeter ao sacrifício da espera; somente assim, será beneficiado com o sucesso da colheita.
                O benfeitor espiritual Emmanuel afirma que as ansiedades armam muitos crimes e jamais edificam algo de útil na Terra, e que precede sempre a ação de cair.
                Não são poucos os que, não sabendo esperar dias melhores que poderiam muito be ser conquistados com mudança de atitude e trabalho, ansiosos, precipitam-se pela porta ilusória do suicídio.
                É verdade que a ansiedade é natural e necessária, no entanto, quando exorbita torna-se causa de muitas enfermidades e decisões impulsivas, requerendo muitas vezes séculos para a devida reparação.
                Em qualquer circunstância devemos trabalhar a mente para que mantenhamos a serenidade. Dessa forma, não sofreremos antecipadamente por algo que poderá nem acontecer.
                Mesmo que a vida nos acene com acontecimentos desagradáveis, na área da saúde, da afetividade, das relações familiares e profissionais, mantenhamos acesa a chama da esperança, entregando a Deus as nossas aflições, recordando a advertência do Mestre inesquecível: “tenho-vos dito isto para que tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.
                Somente Deus, que tem o poder de mudar o tempo, permitindo a tempestade, também tem o poder de agir no tempo certo, permitindo que o sol surja com todo o esplendor.

F. Altamir da Cunha

Extraído do Jornal Espiritismo Estudado – setembro/2011